Skip Navigation Links
HOME
QUEM SOMOS
VIDA DA PO
CONCÍLIO VATICANO II
GALERIA DE FOTOS
FALE CONOSCO
MEMÓRIASExpand <b>MEMÓRIAS</b>
LOCALIZAÇÃO
LINKS
 
Busca:
 
Imagem
  
VIDEOS [+] mais
  
Depoimentos
CONJUNTURA
Análise de Contexto - José Oscar Beozzo

 Análise de Contexto

O contexto em que se move o CESEEP é continental, por ser um centro de formação de caráter latino-americano e caribenho, com laços crescentes com a África e abertura para os outros continentes. Recebe, entretanto, influências que ultrapassam esses limites devido ao mundo globalizado, em que vivemos.

Seu enraizamento mais próximo encontra-se no Brasil e seu entorno imediato é a área metropolitana de São Paulo, onde desenvolve boa parte de suas atividades.

Destacamos em âmbito mais geral, quatro tipos de desafios, buscando articular sua incidência no panorama latino-americano/caribenho e brasileiro:

1. O desafio ambiental

- A Rio + 20, com a Cúpula dos Povos, mostrou o crescimento da consciência ambiental, a multiplicação e diversificação de organizações, movimentos e grupos de pressão em favor de outro modelo de economia socialmente justa e ambientalmente sustentável, na linha da humanização ou do que os povos andinos chamam do “bem viver e bem conviver”, “Sumak Kawsay”, na língua quéchua, ou ainda “Tekoporã”, no idioma Guarani.

- Enfatizou-se a urgência de se encontrar saídas a nível local, nacional, regional e global e foram apresentadas milhares de experiências concretas na direção de um futuro sustentável para o planeta e a humanidade.

- Foi denunciada, ao mesmo tempo, a aliança dos maiores poluidores com o grande capital e a mídia, no intuito de se prosseguir pelo mesmo caminho de sobre-exploração dos recursos naturais, sem limites e sem responsabilidades socioambientais consistentes e não apenas maquiadas. Tenta-se vender a velha economia de mercado, sem limites de exploração, produção e consumo, travestida agora com o epíteto de “economia verde”.

- Ficou patente ainda a dificuldade de se obter consensos sólidos entre os Estados acerca de metas e compromissos com a sustentabilidade, com a mudança da matriz energética baseada nos combustíveis fósseis (carvão, gás, petróleo), para outra apoiada em energias limpas e renováveis (eólica, solar, geotérmica, de biomassa e hidráulica), a fim de se reduzir as emissões dos gases de efeito estufa e o aquecimento global.

- Faltaram compromissos verificáveis para a contenção da sobre-exploração predatória de recursos naturais finitos e não renováveis (água, florestas, minérios e combustíveis fósseis); para limitação do consumo irresponsável e para se por um freio a uma economia baseada em produtos descartáveis. Estes submergem as cidades com montanhas de lixo, sem políticas que imponham aos que produzem o lixo, cuidar de seu destino e reciclagem, tanto em se tratando de plástico, papel, vidro, metais, como de lixo orgânico ou de efluentes tóxicos.

- Cresce a consciência e aprimora-se a legislação para que quem destrói e polui seja responsabilizado por despoluir o solo, ar, rios, lagos e oceanos e reparar os danos provocados.

- Não foi possível criar a Agência Mundial de Meio Ambiente, com poderes de coordenação e intervenção e recursos capazes de fazer a diferença nesse campo, o que denota a falta de vontade ou incapacidade política dos Estados para implantar uma agenda comum global em defesa do meio ambiente.

- No CESEEP, a questão ambiental e seu agravamento, assim como as iniciativas para reverter seus impactos têm sido tema central em vários Cursos do CESEEP, como os de Verão sobre a Água e outro sobre Ecologia; o de Formação Pastoral sobre a crise ambiental nas cidades; o de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso sobre o empenho comum das Igrejas e religiões em favor da integridade da criação; o de Pastoral e Relações de Gênero e o de Militantes sobre a contribuição do ecofeminismo, para uma nova visão de nossas relações com todo o criado. A temática ambiental tornou-se tema transversal em todos os Cursos do CESEEP, sempre apoiado em visitas a locais de reciclagem, de tratamento de água e efluentes, a prefeituras e escolas com programas consistentes nessa área e a ONGs ambientalistas.

2. O desafio econômico-financeiro

- A crise desencadeada em 2008 com a quebra do Banco Lehman Brothers e aparentemente superada pelo resgate com dinheiro público dos grandes bancos e financeiras que a provocaram, ressurgiu com toda força em 2012.

- A ajuda estatal aos Bancos, que alcançou a casa de trilhões de dólares, trouxe de volta a crise, agora do lado dos Estados que se endividaram para socorrê-los. O epicentro deslocou-se dos Estados Unidos para a Europa, tornando-se uma crise da moeda comum, o euro. A UE foi obrigada a socorrer a Irlanda, a Grécia e agora a Espanha, Portugal e Itália, à custa de fundos de estabilização bilionários, programas de contenção de gastos, dispensa de funcionários e de brutal superávit primário nas contas públicas, para o resgate da dívida dos Estados com os bancos.

- Está se pagando a dívida com aumento de impostos, corte generalizado do dispêndio público com os programas sociais em saúde, educação, aposentadorias e pensões.

- A crise elevou o desemprego em países como Irlanda, Grécia, Espanha para perto de 25% da população economicamente ativa. Entre a juventude, o desemprego já supera a casa dos 50%, uma verdadeira hecatombe social. Desempregados e jovens têm sido o núcleo motor da ocupação de praças e de protestos multitudinários dos “indignados” na Espanha, Grécia, Itália e noutros países europeus.

- O resultado tem sido o aprofundamento da recessão que já contamina as economias dos outros continentes e é visível na América Latina, cuja taxa de crescimento econômico, com exceção do México, despencou.

- Em todo mundo, voltou a crescer o número de pobres e desamparados pela crise econômica aliada a catástrofes ambientais que vão de secas a inundações e à perda de colheitas e rebanhos. Subiram os preços dos alimentos penalizando as populações mais vulneráveis, de modo particular mulheres, crianças e idosos. Ronda-os a fome endêmica, com a redução dos aportes dos países ricos a todos os programas de ajuda ao desenvolvimento e uma generalizada queda da solidariedade internacional, cada um tentando salvar-se a si mesmo, sem se importar com os demais. A onda de protecionismo é apenas a ponta do iceberg dessa atitude.

- No CESEEP, a temática social, econômica e política é sistematicamente trabalhada no Curso de Militantes; nas análises de conjuntura do Curso de Verão e de Formação Pastoral e permanece como pano de fundo da reflexão tanto bíblica, como teológica, pastoral e de empenho transformador, em todos os cursos e assessorias do CESEEP.

3. O desafio das migrações

- Ela é generalizada, mas com focos mais agudos. Na Europa, as fronteiras se fecharam para os extracomunitários, mormente os africanos e os oriundos do leste europeu. Há certa tolerância em relação às mulheres migrantes, sem as quais haveria colapso nos serviços de saúde a domicilio (home-care), na limpeza doméstica e nos hospitais e edifícios públicos e privados, no cuidado com as crianças (baby sitter). Leis cada vez mais xenófobas, com simpatia e respaldo em setores importantes da população e nos partidos políticos, não apenas de direita, vêm facilitando a deportação dos migrantes definidos como “ilegais”, além de penalizar os que lhes dão trabalho, abrigo ou socorro. Com o crescimento do desemprego, os imigrantes são acusados de “roubar” empregos dos nativos, sem atentar para o fato de que perfazem aqueles trabalhos mais pesados ou considerados sujos e de risco e que a mão de obra local há tempos abandonou.

- No continente americano, agravou-se a situação migratória na fronteira México-Estados Unidos, com a entrada em vigor de leis migratórias draconianas e xenófobas em estados fronteiriços, como o Arizona; superlotação de prisões com centenas de milhares de “indocumentados” e retorno forçado de migrantes por conta do desemprego e da recessão nos Estados Unidos.

- No Haiti, a destruição da economia e da infraestrutura com o terremoto de 2010 continua penalizando a população por causa da lentidão da reconstrução. Passado o primeiro ímpeto de solidariedade internacional, a situação da ilha foi relegada ao esquecimento e descaso, enquanto permanecem as dificuldades em se utilizar eficazmente a pouca ajuda que continua chegando. Com o desemprego aberto superando os 70% da população, os haitianos tentam emigrar a qualquer custo, sendo barrados por toda parte ou recebidos a conta-gotas. Mesmo assim, há cerca de 700 mil prófugos haitianos em países como os Estados Unidos, Canadá, República Dominicana, Cuba e crescentemente, Brasil.

- Na zona fronteiriça do Paraguai, os brasiguaios continuam em situação jurídica e politicamente instável, sob pressão do movimento campesino paraguaio por reforma agrária e atitude ambígua por parte do Estado, tanto no sentido de impulsar ampla reforma agrária em favor dos trabalhadores rurais sem terra, quanto de garantir segurança jurídica aos vivem e trabalham em seus lotes, legalmente adquiridos.

- Muitos países, como México, El Salvador, Nicarágua, Guatemala, Equador que dependem fortemente, para obter divisas, das remessas dos migrantes aos seus familiares, sentem mais de perto os efeitos da crise em suas economias, por conta do declínio dessas remessas em moeda forte.

- Na migração, num primeiro momento, mulheres e crianças são deixadas para trás e as novas leis dificultam cada vez mais a reunificação familiar, criando dramas familiares quase insolúveis.

- Internamente, em todos os países, persiste o fluxo migratório do campo para as cidades e, sobretudo, das cidades menores para as maiores.

- Por isto, a problemática migratória é um pano de fundo obrigatório dos cursos do CESEEP. De maneira mais específica, o Curso Latino-americano de Formação Pastoral tomou as migrações como tema central de um de seus cursos e converteu-o, posteriormente em tema regular a cada ano.

4. O desafio urbano.

- O último censo revelou que, no Brasil, 85% da população já se encontra em cidades. Na América Latina esse índice é de 80%. Em que pese os avanços nas políticas públicas de combate à pobreza, a América Latina continua sendo o continente mais desigual do mundo. A nova face da pobreza é urbana e feminina, atingindo duramente os mais vulneráveis, em especial crianças e jovens, anciãos e adultos sem qualificação profissional.

- Nas grandes cidades do continente, a crônica crise urbana na área de habitação, transporte, distribuição de água e implantação de saneamento básico, coleta e tratamento do lixo, da infraestrutura de educação e serviços de saúde, agravou-se pela dimensão e gravidade dos problemas, mas também incapacidade ou inércia do poder público no seu enfrentamento. Nos conflitos entre demandas dos movimentos populares e da cidadania em geral, interesses privados e políticas públicas, tem prevalecido a lógica do capital, da especulação imobiliária e da privatização dos espaços e serviços públicos, com a degradação do espaço urbano e da convivência social.

- Há um quase colapso da segurança pública frente à explosão da violência tanto das quadrilhas, quanto da polícia.

- O tráfico de drogas já domina setores inteiros das cidades e corrompe o aparato do estado, da polícia aos magistrados, dos legisladores ao executivo. O tráfico elege seus deputados, prefeitos e governadores e compra seus juízes e desembargadores.

- As chacinas que se multiplicam do México ao Brasil, país em quejovens negros compõem ¾ da população carcerária. Os presídios superlotados, a ponto de explodir em todo o continente e onde se multiplicam as revoltas por conta das condições de vida insuportáveis, apontam para a gravidade do problema.

- Novidade é a crescente presença de mulheres na população carcerária, ligada principalmente ao seu envolvimento com o tráfico de drogas.

- A repressão ao tráfico e à narco-guerrilha tornou-se pretexto para crescente presença militar norte-americana em países como Colômbia e Honduras e agora Paraguai, após o golpe contra o presidente Lugo.

- As zonas metropolitanas, sobretudo em sua periferia próxima, continuam atraindo a população, criando mega aglomerações, como as cidades do México e São Paulo, com cerca de 20 milhões de habitantes, outras que ultrapassam os 10 milhões, como Rio de Janeiro e Buenos Aires e ainda outras que já se aproximam deste patamar, como Lima, Santiago, Bogotá.

- O estudo da problemática urbana, que afeta a quase totalidade da população do continente, por conta de sua irradiação e penetração até mesmo nas zonas rurais mais afastadas, via meios de comunicação social, facilidade de transportes, produtos e serviços oferecidos e hábitos de consumo, tornou-se a espinha dorsal do Curso Latino-americano de Formação Pastoral. Ali, se estudam seus desafios para os movimentos populares, as Igrejas e as políticas públicas, com imersão programada na complexa, rica e profundamente desigual realidade urbana de uma megacidade como São Paulo e seus municípios vizinhos. O curso é complementado por um intenso programa de visitas a prefeituras da região, a iniciativas dos movimentos urbanos por moradia, melhoria do transporte, implantação de redes de água, esgoto, luz elétrica e aos esforços coordenados de igrejas, escolas e movimentos populares junto aos poderes públicos para criação de oportunidades de estudo, trabalho e lazer para os jovens e implantação de bases de polícia comunitária. Em vários lugares, obteve-se uma queda de mais de 70% nos níveis de violência e assassinato de jovens. O curso leva também seus participantes a colaborarem nos fins de semana de iniciativas das Igrejas junto a moradores de rua, a crianças e adolescentes em situação de rua.

Completamos essa análise do contexto, com breve incursão pelo campo econômico, político, dos movimentos sociais, a nível local e latino-americano, concluindo com o campo religioso.

1. Campo econômico

Neste panorama, há mudanças sensíveis:

- Em vários países do continente, a China vem deslocando os tradicionais parceiros comerciais, Estados Unidos e União Europeia, tornando-se a maior parceira comercial de países como Brasil, Peru, Chile, Paraguai e a segundo maior parceira de México e Argentina. Cresceram também vertiginosamente seus investimentos em energia (petróleo, gás, carvão), matérias primas minerais (ferro, cobre, manganês...), logística (portos e ferrovias) e produção de alimentos, soja e proteínas animais (aves, suínos e bovinos), com ativo papel de seus bancos estatais no financiamento do comércio, produção e compra de ativos minerais e de grãos. Seu peso econômico, não se traduz ainda em equivalente influência política.

- A hegemonia no continente continua sendo norte-americana, em que pesem os esforços da parte de vários países, para a criação de instituições mais autônomas, sem a presença dos Estados Unidos, como oMercosul, agora alargado com a entrada da Venezuela; CAN (Comunidade Andina de Nações) e UNASUL (União de Nações Sul-Americanas), com seu banco de fomento, o Banco Sul.

- Na esfera internacional, Brasil integra o grupo dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), enquanto Chile, Peru e México estão associados à APEC (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico) da qual fazem parte igualmente Estados Unidos e Canadá.

- O difícil panorama internacional com a freada na atividade econômica dos Estados Unidos, União Europeia, Japão e mesmo da China, vem afetando o crescimento de praticamente todos os países da América Latina, com declínio na quantidade e, sobretudo, valor das exportações de matérias primas e insumos.

2. Campo político

- Um grupo de países, Argentina, Equador, Bolívia, Venezuela, Nicarágua, El Salvador, leva uma política mais decidida de recuperação por parte de seus governos do controle público sobre seus recursos naturais. Água, gás, petróleo, eletricidade, telecomunicações e a biodiversidade nas matas, rios e oceanos são reconquistados como bens comuns estratégicos a serviço de seus povos e patrimônio a ser legado para as gerações futuras. Seus governos entraram em choque com as multinacionais que controlavam e exploravam esses recursos, com os bancos que as financiavam, com os investidores que aplicavam seus ativos nessas empresas e com os países de origem que lhes davam cobertura politica, de modo especial, Estados Unidos, Canadá, Espanha, com respaldo da União Europeia. Também empresas brasileiras como a Petrobrás foram afastadas ou tiveram que renegociar seus contratos de exploração energética nesses países.

- Motivo de desavenças entre Estados Unidos e a maioria dos países latino-americanos foi também o golpe militar que derrocou o governo democraticamente eleito de Honduras (2009) e o golpe branco que afastou o presidente Fernando Lugo do Paraguai (2012). O país foi suspenso de imediato do Mercosul, por conta da cláusula democrática, até a realização de novas eleições em abril de 2013. A entrada da Venezuela no Mercosul, solicitada em 2001, aprovada pelos quatro países (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) em 2006, ficara empacada pela recusa do Senado do Paraguai, todo ele de oposição ao Presidente Lugo, em ratificá-la. A suspensão do Paraguai e sua consequente ausência da reunião de cúpula do Mercosul em Mendoza, ensejou a admissão da Venezuela, a terceira maior economia do continente sul-americano, e sua entrada oficial no bloco no último dia 31 de julho. O bloco torna-se estratégico no cenário energético internacional por conta de suas ingentes reservas de petróleo e gás, além de ganhar uma porta de saída para o mar Caribe, encurtando as distâncias em relação aos mercados do hemisfério norte: Nafta e União Europeia. O Mercosul completa, assim, com a saída para o norte e o Caribe, sua atual projeção no Atlântico sul, voltada para a África e a Ásia e sua saída pelo Pacífico, via o estreito de Magalhães em direção ao Japão, Coréia e China e ao conjunto da Ásia do sudeste. O bloco ampliado pode sofrer com as incertezas da situação político-econômica da Venezuela. Em que pese a eleição de governos conservadores no Chile, Colômbia e o retorno do PRI ao poder no México, persistem os esforços por maior integração continental.

3. Campo dos movimentos sociais

Mesmo em países, como Bolívia e Equador, cujos governos foram eleitos com forte apoio dos movimentos populares, hoje, os movimentos indígenas se insurgem contra políticas governamentais que violam seus territórios, com a construção de estradas, concessões para a exploração de gás e petróleo ou construção de hidroelétricas. No Peru, as populações indígenas obrigaram o governo a recuar na sua concessão de licenças para grandes mineradoras operarem em áreas de proteção ambiental, enquanto negociam compensações por danos ambientais e sociais para a construção de hidroelétricas na Amazônia peruana. Conflitos semelhantes vêm eclodindo sistematicamente no Brasil por conta das hidroelétricas em construção na região amazônica: Belo Monte no Rio Xingu; Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira e 22 outras planejadas, licitadas ou já em início de construção no Rio Teles Pires (seis usinas previstas, incluindo a da foz do Apiacás), Juruena, Jamanxin (Cachoeira dos Patos, Cachoeira do Caé, Jamanxin),Tapajós (São Luiz e Jatobá) e noutros rios amazônicos. Outros movimentos sociais, com exceção do MST que vive porém divisões e contradições, perderam força e incidência social e política.

No Chile, no entanto, de maneira surpreendente, é o movimento estudantil secundarista e depois universitário que vem colocando em cheque a política educacional herdada dos anteriores governos, tanto militar quanto civil da concertação socialista/democrata cristã, de se privatizar praticamente todo o ensino do país. À medida que se prolongaram as greves e outros setores sociais aderiram aos protestos é o próprio modelo de economia e de sociedade que passou as ser contestado. Em que pese o prolongado crescimento econômico do Chile, país que levou ao extremo a economia de mercado, seguindo o modelo econômico neoliberal, persistem, como no restante da América Latina, profundas desigualdades sociais e bolsões de pobreza extrema.

De maneira fragmentária, sem capacidade de transbordar para o conjunto da sociedade, manifestam-se movimentos ligados a moradia e transporte nas grandes cidades; o movimento negro contra discriminações por raça e cor, por regularização das terras quilombolas ou por quotas raciais nas universidades; populações indígenas quando são violados seus territórios pela abertura de estradas, desmatamentos, construção de hidroelétricas e instalação de projetos de mineração. Somem-se a isto movimentos pelos direitos dos aposentados, das pessoas com deficiência, por atendimento digno na saúde. Essas lutas e mobilizações ganham atenção apenas pontual da mídia ou são literalmente ignoradas.

Não se pode negar que nos anos recentes, em países como Brasil, graças a políticas públicas de inclusão social, houve ingresso no mercado de trabalho formal, melhoria econômica e ascensão social de milhões de pessoas.

Deve-se dar especial destaque às mulheres, que avançaram mais do que os homens em anos de estudo, qualificação profissional e ingresso no mercado de trabalho, mormente nos serviços, com diminuição na diferença salarial paga para igual trabalho. Persistem diferenças, mas que vêm se estreitando, graças à luta organizada das mulheres e das políticas públicas específicas para a diminuição de desigualdades e descriminações por razões de gênero, raça, cor ou deficiência física. Fenômeno semelhante se observa em países orientação política distinta, como Peru, Colômbia, México.

É visível o efeito demonstração e o impacto de suas políticas por equidade de gênero, eliminação da pobreza e direitos humanos, que a ascensão de mulheres à presidência de seus países: Michelle Bachelet no Chile (2006-2010), Cristina Fernández de Kirchner (2007-2011), reeleita para novo termo presidencial (2011-2015), na Argentina; Dilma Rousseff no Brasil (2011-2015); Laura Chinchilla (2010-2014), na Costa Rica, vem exercendo sobre a vida de mulheres e homens de seus países e no restante do continente. Elas impulsaram políticas de equidade de gênero e trouxeram para seus ministérios grande número de mulheres, além de nomeá-las ministras da Suprema Corte e de outros Tribunais Superiores ou dirigentes das maiores empresas públicas, como a Petrobrás no Brasil, com sua nova presidente, Graça Foster.

Por outro lado, grandes mobilizações e concentrações populares têm acontecido apenas em torno a três eixos:

- o da música: cantores bandas e populares tocando em praias, praças e estádios atraem multidões, tendo sido criada uma verdadeira indústria de caráter internacional, a do “show bussiness” do qual o “Rock in Rio”, é um bom exemplo.

- o da religião, com eventos como “A marcha por Jesus”, iniciativa multitudinária de igrejas e movimentos evangélico/pentecostais, com grande apelo entre os jovens pela presença de bandas e cantores de música gospel, unindo ritmos modernos com mensagens religiosas. O formato dessas manifestações de cunho religioso aproxima-se do “show bussiness” musical. Na mesma linha, concentram-se multidões atraídas por padres cantores da Igreja Católica, como Marcelo Rossi e Fábio de Melo. Indício de que se movem no mesmo universo, é oepíteto que ganharam essas celebrações: “Show missa”.

- o da diversidade sexual com as Paradas do Orgulho Gay. As manifestações por direitos humanos, com forte conotação política, marcaram os anos das ditaduras militares, assim como as mobilizações pelo estado do direito, por anistia, pelo fim das prisões arbitrárias e torturas. O período posterior conheceu lutas, com marcado caráter social, contra a carestia, o desemprego, o arrocho salarial ou em favor da reforma agrária. Foram depois deslocadas para questões ligadas à equidade de gênero, ou aos direitos reprodutivos e descriminalização do aborto nas lutas feministas. Agora o cenário vem sendo ocupado por reivindicações relacionadas à diversidade sexual, como oficialização de uniões civis entre pessoas do mesmo sexo; adoção de crianças por casais de gays e lésbicas; aplicação das normas previdenciárias e de seguro saúde, das leis que regem partilha e herança de bens a uniões de pessoas do mesmo sexo. As outras lutas e reivindicações persistem, mas em tom menor e incapazes de mobilizações multitudinárias como a das Paradas do Orgulho Gay que se multiplicam pelas grandes cidades do continente.

4. Campo religioso

O panorama religioso latino-americano e caribenho sofre uma rápida e profunda mutação, em termos da sociedade, das igrejas e do ordenamento jurídico dos Estados, que têm alterado suas constituições, para contemplar o atual quadro de pluralismo religioso, oferecendo iguais garantias para todas as igrejas, religiões e para os que se declaram sem religião, suprimindo o estatuto diferenciado ou antigos privilégios da Igreja Católica. Assinalamos algumas das tendências em curso:

a. Crescente pluralismo religioso. Sempre houve na América Latina e no Caribe uma variedade de caminhos religiosos presentes nos mais de dois mil povos originários existentes anteriormente à chegada dos europeus; nos milhões de escravos trazidos de diferentes regiões, culturas e sistemas religiosos existentes na África; na diversificada colonização europeia que determinou hegemonia católica nas áreas colonizadas por Espanha, Portugal e França (Quebec no Canadá, Louisiana, nos Estados Unidos, Haiti, Guadalupe, Martinica no Caribe, Guiana Francesa na América do Sul), presença anglicana nas ilhas inglesas do Caribe, na Guiana Inglesa, na antiga Honduras Britânica (Belise), presença reformada nas ilhas holandesas e no Suriname, presença luterana nas Ilhas Virgens dinamarquesas. A substituição dos escravos nas lavouras por trabalhadores chineses adeptos das religiões tradicionais da China (Peru e Cuba); indianos hindus e muçulmanos (Trinidad Tobago, Guiana Inglesa, Jamaica e noutras ilhas britânicas), indonésios muçulmanos (Antilhas Holandesas e Suriname), japoneses shintoistas e budistas (Peru e Brasil) e a posterior imigração europeia, particularmente intensa para a Argentina, Uruguai, Brasil, Chile, Venezuela, diversificou ainda mais o panorama religioso do continente a partir da segunda metade do século XIX em diante. Isto não impediu que a América Latina fosse vista como continente, majoritariamente católico, pelo menos nominalmente. A novidade, hoje, é a multiplicação de experiências religiosas de toda índole, reflorescimento de cultos indígenas e afro-americanos, aliados ao fato de grande número de pessoas mudar de religião.

Há dois fenômenos aparentemente contraditórios nesse campo: de um lado, uma verdadeira explosão religiosa, particularmente vistosa no multiplicar-se de movimentos e igrejas pentecostais e neopentecostais e, de outro, uma desafeição frente às formas religiosas mais institucionalizadas das Igrejas tradicionais.

No limite, as pessoas se declaram “sem religião”, sendo este o segmento que, nos últimos trinta anos, mais rapidamente cresceu na população em geral, em especial nos centros urbanos, seja na Argentina, no Brasil, no Chile ou no México. Há outra novidade nessas formas de descrença. Elas permeiam também os setores populares tradicionalmente religiosos. Nesse sentido, elas diferem do clássico agnosticismo dos meios intelectuais à raiz dos conflitos entre fé e ciência na segunda metade do século XIX. Diferem também do movimento de “perda de fé” da classe operária, nas primeiras décadas do século XX, por acomodamento da Igreja Católica e de outras Igrejas cristãs aos interesses dos setores burgueses da sociedade e por sua aliança política com partidos conservadores contra os partidos socialistas, anarquistas, comunistas ou de esquerda alinhados com os interesses dos trabalhadores, nos conflitos entre capital e trabalho. Difere ainda da aproximação de intelectuais e universitários ao marxismo e concomitante desafeição religiosa. O fenômeno atual de abandono da religião é particularmente visível nos cinturões populares das grandes aglomerações urbanas, nas cidades dormitório ao lado de zonas industriais, nas favelas e cortiços dos centros urbanos.

b. Pentecostalização do cristianismo.Se é possível distinguir três grandes expressões históricas do cristianismo, a do antigo oriente, a do ocidente latino católico e a da reforma protestante, é necessário acrescentar uma quarta, a do pentecostalismo que é reivindicada hoje por um quarto dos atuais dois bilhões de cristãos. Ao lado das igrejas e movimentos pentecostais, é visível a força do movimento carismático, tanto no seio do anglicanismo, das igrejas protestantes, como a luterana, a metodista, as presbiterianas, como ao interior da igreja católica. Nesse sentido, paralelamente ao crescimento pentecostal na América Latina e no Caribe está em curso igualmente uma pentecostalização de amplos setores do catolicismo, mormente entre as classes medias e altas.

Basta o exemplo recente do Brasil para se medir a força do movimento pentecostal. Os dados do último censo (2010) no campo religioso, divulgados há poucos dias, indicam o persistente crescimento do mundo evangélico/pentecostal e o declínio dos fieis católicos e das Igrejas protestantes tradicionais:

EVOLUÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA PERTENÇA RELIGIOSA NO BRASIL

CENSOS: 1970, 1980, 1991, 2000, 2010

ANOS

POPULAÇÀO TOTAL - MILHÕES

CATOLICOS

EVANG. MISSÃO

EVANGÉLICOS PENTECOSTAIS

EVANG TOTAL

OUTRAS RELIGIÕES

SEM RELIGIÃO

1970

93 470

85 775

--

--

4 833

2 157

0,704

   

91,8%

--

--

5,2%

2,5%

0,8%

INDICE

100

100

--

--

100

100

100

               

1980

119 009

105 860

4 022

3 864

7 885

3 310

1 953

   

89,0%

3,4%

3,2%

6,6%

3,1%

1,6%

INDICE

127

123

100

100

163

153

277

               

1991

146 814

122 365

4 388

8 768

13 157

4 345

6 846

   

83,3%

3,0%

6,0%

9,0%

3,6%

4,7%

INDICE

157

142

109

227

272

201

972

               

2000

169 870

125 517

8 477

17 975

26 452

5 409

12 492

   

73,9%

5,0%

10,6%

15,6%

3,2%

7,4%

INDICE

182

146

210

374

547

250

1774

               

2010

190.775

123,289

7.686

25370

42.276

9621

15.335

   

64,63%

4,02%

13,30%

22,16%

5,04%

8,03%

INDICE

204

143

191

656

880

446

2178

FONTE: DADOS DEMOCRÁFICOS: CENSOS IBGE: 1970, 1980, 1991, 2000 e 2010. INDICES DO AUTOR.

Nota bene: O Censo de 1970 englobou todos os evangélicos, de missão e pentecostais, numa única categoria.

Porcentagens e índices permitem visualizar as principais tendências nos últimos quarenta anos:

- A população do país pouco mais do que dobrou entre 1970 e 2010 (Índice de 100 para 204). Os católicos não seguiram o ritmo do crescimento populacional (100 para 143) e, por primeira vez, entre 2000 e 2010, declinaram em números absolutos, caindo de 125.516 milhões para 123.289 (Índice de 146 para 143).

- Declinou igualmente o número dos Protestantes de Missão que engloba luteranos, metodistas, presbiterianos, congregacionais e batistas. Baixaram de 8.4 milhões, para 7.8, entre 2000 e 2010. Se excluirmos deste grupo os batistas que representam metade desses fieis e é uma igreja que continua crescendo fortemente, o declínio seria mais acentuado (Índice de 210 para 191).

- Os pentecostais e neopentecostais continuam crescendo e muito. Passaram na última década de 17.9 milhões para 25.3 (Índice de 374 para 656). Há algumas surpresas internas: A Igreja Universal do Reino de Deus, dona da Rede Record, que tivera crescimento fulminante entre 1991 e 2000, perdeu fieis na última década, assim como sua vistosa bancada de deputados na Câmara Federal. Outro fenômeno é do numeroso grupo de pessoas que se declaram “evangélicas”, sem indicar uma Igreja específica e que alcançou 9 milhões de pessoas. Consolidou-se a posição da Assembleia de Deus como a grande Igreja pentecostal, com 12.3 milhões de fieis. Ela congrega mais da metade de todos os pentecostais afiliados.

- O conjunto dos evangélicos passou a somar 42,2 milhões de fieis, 22,16% da população brasileira, com um índice de 880 a partir da década de 70. Multiplicaram-se quase por nove, seus adeptos, nos últimos 40 anos.

- O bloco das “Outras religiões” também cresceu. Seu índice passou de 100 a 440 entre 1970 e 2010. Neste bloco, o grupo mais importante é o dos espíritas que somam 3.8 milhões de adeptos, fazendo do Brasil o país com o maior número de espíritas em todo o mundo. Dentro desse bloco, encontram-se também as religiões indígenas e afro-brasileiras. Nestas, é marcante a liderança feminina das mães e filhas de santo.

- Finalmente, o segmento que mais cresceu é o daqueles que se declaram sem religião. Este engloba ainda ateus e agnósticos. Seu índice saltou de 100, em 1970, para 2.178, em 2010. Isto significa que, nesse período, há 21 vezes mais pessoas que se declararam sem religião, notadamente no meio urbano e, de modo particular, nas grandes cidades. Seu ritmo de crescimento, entretanto, foi menor entre 2000 e 2010, se confrontado com o da década anterior (1991 a 2000), quando este grupo mais do que dobrou. Secularização e explosão religiosa convivem lado a lado nas grandes cidades brasileiras, mas espraia-se de maneira mais rápida a mancha dos que se declaram “sem religião”, sem nos aprofundarmos sobre os múltiplos significados que pode esconder essa expressão.

- Não com o mesmo ímpeto, mas com tendências semelhantes em direção a uma ampla e crescente diversificação religiosa da sociedade, caminha toda a área centro-americana, de modo particular em países que foram duramente afetados pela guerra e deslocamentos massivos de população, como Nicarágua, El Salvador e Guatemala, mas também países como Chile, Argentina, Peru, Equador, Colômbia e México, em que pese a formação social relativamente diferente entre eles.

c) Mediatização da mensagem religiosa. As igrejas que tiveram crescimento mais acelerado foram as que se apoiaram mais diretamente na utilização maciça dos meios de comunicação social, em especial, do radio, da televisão e agora da internet. O fenômeno das Igrejas eletrônicas dos Estados Unidos vem se replicando na América Latina e no Caribe, com a difusão de uma cultura “gospel” que permeia as várias igrejas cristãs indistintamente. Pastores e padres cantores, grandes festivais musicais religiosos vem se tornando a forma mais recorrente desta corrente religiosa, que alia emoção e subjetividade, com grandes “happenings” coletivos, mas com raso embasamento doutrinal e escasso compromisso social ou político, a partir de sua fé.

e) Massificação e o anonimato no mundo urbano. Nos últimos 50 anos, todo o continente conheceu altíssimas taxas de urbanização sustentadas pela maciça imigração do campo para a cidade, dos pequenos e médios centros urbanos para as grandes metrópoles. Megalópoles, como a cidade do México ou São Paulo, metrópoles como Santiago do Chile, Bogotá, na Colômbia, Lima, Rio de Janeiro, no Brasil e Buenos Aires, na Argentina, mudaram a paisagem humana e social do continente. Para um catolicismo e determinados ramos do protestantismo que floresceram em ambientes rurais e em pequenas cidades, tornou-se um ingente desafio responder às novas interrogações e demandas do mundo urbano e encontrar formas de inserção criativas e proféticas nas megacidades, num ambiente de franca concorrência religiosa e de formas alternativas de vida, secularizadas e sem maiores referências ao transcendente.

Para o mundo latino-americano, a teologia da libertação que nasceu ecumênica, desenvolvendo-se simultaneamente entre evangélicos (Rubem Alves, José Miguel Bonino, Julio de Santa Ana) e entre católicos (Gustavo Gutierrez, Leonardo Boff, Jon Sobrino, Juan Luiz Segundo, entre outros), os 40 anos do livro seminal de Gustavo Gutierrez, Teologia da Libertação, é um chamado para que as questões da exclusão e da justiça, dos pobres e de sua libertação continuem no centro da vida e dos sonhos dos seguidores de Jesus e das comunidades que lhe são fieis muitas delas até o martírio. Nessa linha, desempenham papel fundamental as pastorais sociais nos vários países. O CESEEP veio colaborando para a organização, junto com Ameríndia e outras instituições, do “Congreso continental de teología a los 50 años del Vaticano II y 40 años de la Teología latinoamericana y caribeña” que irá acontecer naUniversidade UNISINOS de São Leopoldo, RS, de 07 a 11 de outubrodeste ano.

Para o mundo católico e cristão em geral, os 50 anos do Concílio Vaticano II (1962-1965) são uma oportunidade para revisitá-lo e reinventá-lo nas suas grandes intuições frente aos desafios de hoje, em particular o da erradicação da pobreza, do compromisso ecumênico e do diálogo inter-religioso, na linha de sua recepção mais criativa traçada pelas Conferências gerais do Episcopado latino-americano em Medellín (1968), Puebla (1979), Santo Domingo (1992), Aparecida (2007). Nesta retomada do Concílio, a CNBB propôs um itinerário bíblico: que as comunidades aprofundassem a cada ano um dos evangelhos, tendo como tema: “A formação de um discípulo missionário segundo a pedagogia de Jesus”. No ano de 2012, marcando os cinquenta anos do início do Concílio (1962), o evangelho escolhido foi Marcos, tendo por lema a palavra de Jesus a Bartimeu, ao cego de Jericó: “Coragem! Levanta-te! Jesus está te chamando!” (Mc 10, 49). Nos próximos anos, permanece o tema da formação de um discípulo missionário segundo a pedagogia de Jesus, no evangelho de Mateus (2013), de Lucas (2014) e de João (2015).

O coordenador geral do CESEEP foi convidado pela presidência da CNBB para integrar a Comissão especial do Concílio Vaticano II eleita pela Assembleia Geral para cuidar do cinquentenário do Concílio. Foi ainda nomeado pelo Pontificio Comitato di Scienze Storiche, como coordenador geral para o Brasil do projeto internacional de pesquisa sobre os arquivos dos padres conciliares do Vaticano II.

A esfera ecumênica encontra-se diante de quatro grandes desafios: o da extrema fragmentação do campo cristão; o do recrudescimento dos fundamentalismos; o do enrijecimento das Igrejas em suas identidades confessionais; o do proselitismo, como estratégia de crescimento numérico.

Por outro lado, é alentador todo o trabalho ecumênico impulsado pelo CEBI e outros grupos em torno da leitura popular da Bíblia, que liga fé e vida e permite destravar fundamentalismos, superar confessionalismos ensimesmados e estabelecer diálogo em torno das demandas populares e do sentido da Palavra de Deus para o compromisso cristão na família, na comunidade e na sociedade.

As CEBs e seus encontros intereclesiais no Brasil e latino-americanos pelo continente, têm impulsado um espaço importante para um ecumenismo de base. A V Conferência do Episcopado Latino-americano em Aparecida (2007) devolveu legitimidade às CEBs e ao seu compromisso transformador. Em toda a América Latina, prossegue uma fecunda cooperação nesse campo entre cristãos de diferentes confissões religiosas.

O CESEEP em cada um dos seus cursos e de modo particular os Cursos Bíblicos participa desse esforço de retornar sempre às referências fundantes da fé cristã e à comum obediência à Palavra de Deus. No Brasil, por mais de vinte anos o coordenador geral do CESEEP acompanhou em nível nacional a Ampliada Nacional das CEBs, encarregada de organizar os Encontros Interclesiais. A partir de 2.000, essa tarefa vem sendo exercida pelo presidente do CESEEP, Pe. Benedito Ferraro.

Biblistas, teólogas feministas e teólogos da libertação têm sido exemplares neste trabalho comum levado de maneira ecumênica. Centros de formação teológica, como ISEDET na Argentina, Universidade Bíblica de Costa Rica, o Seminário Evangélico de Teologia de Matanzas, em Cuba, a Comunidade Teológica do Chile; a Universidade Metodista de São Bernardo, a Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia de Belo Horizonte, a Escola Superior de Teologia (EST) da IECLB em São Leopoldo e muitos outros espaços mantém orientação ecumênica nos seus programas, no corpo de professores e de estudantes. Biblistas e teólogas como Elza Tamez na Universidade Bíblica da Costa Rica e Ofélia Ortega no Seminário de Matanzas em Cuba desempenharam papel importante nesse compromisso ecumênico e libertador no campo da formação teológica, trazendo a contribuição da leitura feminista da Bíblia e da teologia.

Pelo aspecto mais oficial das Igrejas, em quase todos os países da América Latina e do Caribe, há Conselhos de Igrejas cristãs. Poucos, entretanto, contam com a participação da Igreja Católica. Uma das exceções é a Caribbean Conference of Churches (CCC) que congrega 33 Igrejas, presentes em 34 territórios do Caribe inglês, holandês, francês e espanhol, com o seguinte propósito: “Promover o Ecumenismo e a Transformação Social na obediência a Jesus Cristo e na solidariedade com o pobre”. A Conferência Episcopal das Antilhas que reúne os bispos católicos do Caribe inglês, holandês e inglês, mas não espanhol, é membro pleno do CCC. Outra exceção é o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), no Brasil. O CONIC reúne Igrejas orientais, Igrejas saídas da Reforma, a Episcopal Anglicana e a Igreja Católica, mas nenhuma Igreja pentecostal, o segmento mais importante do mundo evangélico no país.

O Conselho Latino-americano de Igrejas (CLAI), por outro lado, congrega igrejas evangélicas, com crescente abertura aos movimentos e Igrejas pentecostais, mas deixa de fora a Igreja Católica, embora mantenha laços de boas relações e cooperação, em países, como o Brasil.

O CESEEP, por sua vez, é membro fraterno tanto do CLAI em nível latino-americano, quanto do CONIC, em nível nacional, podendo assim conviver, transitar e colaborar com as iniciativas de ambos os organismos buscando dar sua contribuição no sentido de construir pontes entre mundos por vezes afastados entre si.

O CESEEP participa igualmente de modo permanente no grupo Fé-Brasil e mantêm laços estreitos com os vários centros e instituições ecumênicas do Brasil, da América Latina e do Caribe.

Nas duas últimas décadas, vem se dedicando ainda a estabelecer diálogo e cooperação com as religiões não cristãs, seja com as religiões indígenas, as de matriz afro-americana, a umbanda e o espiritismo, seja com o judaísmo, o islamismo, o budismo e o hinduísmo. Seu Curso de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso comporta intenso programa de visitas aos locais de reunião e culto dessas religiões; diálogo com sua espiritualidade e sua contribuição frente a desafios atuais, como a violência, a crise ambiental, a injustiça, a pobreza, a disseminação da AIDs e das drogas entre a juventude.

Por último, o crescimento do segmento de pessoas, que se declaram sem religião, o que mais cresce entre a população dos centros urbanos, tem trazido novo desafio ao CESEEP: o de jovens desconectados de qualquer pertença eclesial ou prática religiosa e que se inscrevem para os seus Cursos, preocupados em buscar um sentido para suas vidas, uma espiritualidade e um engajamento em ações cidadãs em favor da justiça, da vida, do meio ambiente e da promoção humana de excluídos e discriminados.

O CESEEP tem buscado se situar frente a esses diferentes desafios e apostar no processo formativo de pessoas e grupos, capaz de ampliar seus horizontes, oferecer uma experiência de partilha e vivência latino-americana e ecumênica e propor elementos de discernimento para suas escolhas de fé e de cidadania.

José Oscar Beozzo

jbeozzo@terra.com.br

São Paulo, setembro de 2012

 
< Voltar para a página anterior
 
  Endereço: Rua Guarapuava, 317 
Bairro: Mooca - São Paulo - SP - CEP 03164-150
 email: pastoral.operaria.nacional@gmail.com  e contato@pastoraloperaria.org.br
Tel.: (11) 2695-0404/ Fax.: (11) 2618-1077