Skip Navigation Links
HOME
QUEM SOMOS
VIDA DA PO
CONCÍLIO VATICANO II
GALERIA DE FOTOS
FALE CONOSCO
MEMÓRIASExpand <b>MEMÓRIAS</b>
LOCALIZAÇÃO
LINKS
 
Busca:
 
Imagem
  
VIDEOS [+] mais
  
Depoimentos
Reforma Sindical

 Pe Miguel Popilo

Assessor da PO Nacional

 

O sindicalismo brasileiro foi organizado por categoria numa determinada área geográfica e sustentado por um imposto sindical. Quando da sua fundação, a CUT tinha em seus objetivos mudar para o que se chamou 'sindicalismo por ramo de atividade", e não mais por categoria. Por exemplo, quanto sindicatos têm numa escola? Tem o da diretora; o da professora; o do porteiro; o da merendeira. Quantos sindicatos têm numa montadora de veículos? Vários. O de macacão azul; o de macacão branco; o do operador da empilhadeira; o do porteiro; o do médico; o da enfermeira; o da secretaria; o da cozinheira; e outros mais.Quantos sindicatos existem na construção civil? Quantos, na área do transporte? Cada um deles tem sua própria "data-base" quando do acordo (que se chama 'dissídio') em que trabalhador e patrão sentam à mesa para discutir acordos relacionados à categoria. Quando da data-base do porteiro, ele poderá ir à greve e ninguém entra na fábrica. Quando da data-base da enfermeira, ela poderá ir à greve e não haverá quem faça curativo na perna machucada ou no pé em que uma empilhadeira passou por cima. Caso o sindicalismo brasileiro fosse organizado não por categoria mas por um determinado ramo de atividade, não haveria tantos sindicatos na fábrica ou na escola. Um sindicato não atrapalharia o outro; um sindicato não diria "não" quando o outro diz "sim". Haveria unidade de luta no conflito capital-trabalho. Haveria objetivos comuns a todos. Assim sendo, haveria o sindicato dos trabalhadores na educação; o sindicato dos trabalhadores na metalurgia; o sindicato dos trabalhadores do trans- porte, o sindicato dos trabalhadores na construção civil (e não o do mestre de obra, o do pedreiro, o do servente), e assim por diante. Como está organizado, o sindicalismo brasileiro está fragmentado, o que é bom para o patronato. O fundamental para a classe trabalhadora é sua organização que lhe dê unidade na luta contra o capital que precisa do trabalhador para sua existência; que precisa do "mais valia" para se manter.

 
< Voltar para a página anterior
 
  Endereço: Rua Guarapuava, 317 
Bairro: Mooca - São Paulo - SP - CEP 03164-150
 email: pastoral.operaria.nacional@gmail.com  e contato@pastoraloperaria.org.br
Tel.: (11) 2695-0404/ Fax.: (11) 2618-1077